"A ESCUTA COMEÇA NO VENTRE DA MÃE."

"A ESCUTA COMEÇA NO VENTRE DA MÃE."
Conversar, cantar e colocar música para o feto pode ajudar em seu desenvolvimento.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

O BEBÊ E A CHUVA

Cantando e contando a HISTÓRIA DA CHUVA:

PREVENINDO FOBIAS, TRABALHANDO O COGNITIVO ( ENTENDIMENTO), AUMENTANDO A PERCEPÇÃO  DO BEBÊ EM RELAÇÃO AO MEIO E CONTEXTUALIZANDO ADEQUADAMENTE.
MESMO COM BEBÊS QUE TENHAM QUALQUER DIFICULDADE NEUROLÓGICA É POSSÍVEL ESTIMULAR ADAPTANDO-SE A TODAS AS "PERCEPÇÕES" ALTERADAS OU NÃO. (Auditiva, visual, tátil )

MÚSICA "ESTÁ CHOVENDO"- FOLCLORE- (tem na Galinha Pintadinha)
Está chovendo
O que fazer
Abre o guarda-chuva
p'ra se esconder

Instrumento Musical- PAU DE CHUVA- Fazer a sonoplastia da Chuva ou Teclado- Efeito Sonoro- CHUVA
GUARDA- CHUVA
HISTÓRINHA adaptada para estimulação Visual e Tátil Também





Bebês Luis Gustavo, Letícia, Natália , Lara e suas mamães do "Grupo de Bebês e Mamães 
do CEIR- Centro Integrado de Reabilitação Física - Teresina- PI em momento de sessão comigo (Nydia) no setor da Musicoterapia- Estamos no período das chuvas em nossa região. As mães também são orientadas a mostrarem a chuva quando chover, nuvens, céu  e outros elementos ao longo da semana.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

MUSICOTERAPIA NA GRAVIDEZ


                                                              Fabiane Rúbia Coimbra Vilarinho-                                                                               Psicóloga e Pós-Graduanda Musicoterapia UFPI-2014
rESUMO 
O presente artigo fala dos vários conceitos da musicoterapia, o seu objetivo, os benefícios que a mesma trás a sociedade e no caso especifico o período de gravidez da mulher, avaliando a relação e comunicação mamãe-bebê, relação do casal, a harmonia necessária para vivenciar o antes, durante e pós nascimento da criança.
Palavra chave: musicoterapia, comunicação, gravidez.

Music Therapy in Pregnancy

ABSTRACT
This article discusses the various concepts of music therapy, your goal, the benefits the same back to society and in the specific case the period of the woman's pregnancy, evaluating the relationship and communication mother-infant relationship of the couple, the harmony necessary for the experience before, during and after child birth.
Keyword: music therapy, communication, pregnancy.

A idéia desse artigo surgiu na pós graduação em musicoterapia quando me foi solicitado a fazer um artigo com os assuntos abordados durante o período, porem tive que demonstrar o meu contentamento ao abordar o tema da gravidez, por achar fantástica essa relação mamãe bebe agregando assim à musicoterapia, sons, equilíbrio emocional, enfim de todo momento especial que é a gravidez e principalmente a importância da musicoterapia nesse processo.


Introdução
Definições da musicoterapia
MUSICOTERAPIA é a utilização de sons organizados e da música em uma relação envolvente entre cliente e terapeuta para apoiar e encorajar o bem-estar emocional, social, físico e mental  É um processo sistemático de intervenção em que o terapeuta ajuda o cliente a promover a saúde utilizando experiências musicais e as relações que se desenvolvem através delas como forças dinâmicas de mudança.” (Bruscia).Em seu livro Definindo Musicoterapia, Bruscia discorre sobre a Musicoterapia
“Como arte e ciência praticadas num processo interpessoal. Como uma arte ela diz respeito à subjetividade, individualidade, criatividade e beleza. Como uma ciência ela se relaciona com objetividade, universalidade, reprodução e verdade. Como processo interpessoal, ela se relaciona com empatia, intimidade, comunicação, influência recíproca e papéis na relação.”

Segundo Filho et al. (2001), a Musicoterapia pode ser definida como uma terapia auto-expressiva, que estimula o potencial criativo e a ampliação da capacidade comunicativa, mobilizando aspectos biológicos, psicológicos e culturais.
O campo da saúde que estuda o complexo som-ser humano-som, para utilizar o movimento, o som e a música, com o objetivo de abrir canais de comunicação no ser humano, para produzir efeitos terapêuticos, psicoprofiláticos e de reabilitação dele e na sociedade (BENENZON, 1988).
O objetivo da Musicoterapia, no campo da saúde  é contribuir para o desenvolvimento do ser humano como totalidade indivisível e única. A pessoa humana não é corpo e mente ou corpo mais mente, nem psique e soma ou psique e alma, nem matéria e espírito; é um todo; e a Musicoterapia utiliza elementos abstratos que não se vêem e que apenas se percebem com o transcorrer do tempo, é a técnica que mais se dirige à totalidade do indivíduo FILHO, M. A. L et al. É preciso cantar: musicoterapia, cantos e canções. Rio de Janeiro: Enelivros, 2001. (BENENZON, 1988).
De acordo com a definição da World Federation of Music Therapy, Musicoterapia é um processo estruturado para facilitar e promover a comunicação, o relacionamento, a aprendizagem, a mobilização, a expressão e a organização (física, emocional, mental, social e cognitiva), para desenvolver potenciais ou recuperar funções do indivíduo de forma que ele possa alcançar melhor integração intra e interpessoal e conseqüentemente uma melhor qualidade de vida. (Backes, 2003, p.39)
Segundo SALAZAR, 1993,Os principais benefícios da aplicação da Biomúsica sao:
• Torna mais lenta e profunda a respiração;
• Previne enfermidades cardíacas;
• Combate o nervosismo;
• Combate à insônia ao relaxar o tórax e ombros;
• Combate às cefaleias ao relaxar o pescoço;
• Aumenta a resistência às excitações sensoriais;
• Previne a neurose;
• Previne enfermidades psicossomáticas;
• Combate o Stress;
• Permite o domínio das forças afetivas;
• Auxilia no bom funcionamento da fisiologia”.

DESENVOLVIMENTO
A gravidez é um momento muito especial na vida da mulher ou do casal que por sua vez é acompanhada por grandes mudanças físicas, hormonais, emocionais e relacionais que merecem atenção diferenciada, mudanças essas que afeta não só  a mãe mas o próprio casal, rotina, cuidados, atenção e etc.
 Um momento decisivo que pode também gerar insegurança, ansiedade, medo, tristeza, depressão ou rejeição. Por isso que diversas áreas da saúde trabalham para o desenvolvimento da qualidade de vida da gestante, do bem estar do bebê e da harmonia do casal, é importantíssimo que desde o início da gestação haja uma boa comunicação e bom vínculo entre a criança e os pais e a musicoterapia tem como objetivo abrir esse canal de comunicação entre os pais e o bebe
A criança ainda no ventre da mãe pode perceber todos os sons internos do corpo da mãe, todos os sons do ambiente onde a mãe vive e convive e é capaz de perceber todas as sensações, desejos e emoções que a mãe sente. Tais percepções estão intimamente ligadas ao início da formação da identidade e personalidade do bebê, por isso que os pais precisam estar em completa harmonia, num ambiente saudável, sem stress, brigas, pra poder vivenciar esse momento da forma mais saudável possível.
A musicoterapia vem, através de sons, músicas e movimentos corporais, a mãe (e o pai, quando for o caso) pra fortalecer os vínculos afetivos visando gravidez, parto e pós-parto mais tranqüilos e saudáveis.
Benenzon (1988) afirma que é preciso saber quais os objetivos pretendidos com a utilização do som. Durante a gravidez, parto e primeiros anos de vida é um exemplo de que a utilização de técnicas de Musicoterapia pode prevenir posteriores alterações emocionais e de conduta. A reabilitação, recuperação e tratamento são outros objetivos.
Com isso torna-se bastante perceptível as alterações de ânimo após a música, tanto dos pacientes, pois os casais cantam, se emocionam, refletem sobre o futuro da vida em família, experimentam alegria, tranqüilidade, paz, que os fazem, mesmo que momentaneamente, se esquecerem das dificuldades vivenciadas no dia a dia ou durante a gravidez  através de sons, musica, canto, e ate mesmo tocando algum instrumento especifico para cada caso.
Os benefícios da pratica musicoterapica na gravidez é exatamente : Combate problemas como stress e ansiedade; Melhora o humor; Enriquece o desenvolvimento físico, emocional e intelectual do bebê; Reforça a relação da mãe e do bebê. As canções de Mozart, especialmente, são as mais recomendadas.

 Hoje os estudos da medicina moderna comprovam que quando a mãe ouve muito uma música durante a gestação, o bebê pode reconhecê-la depois. Há vários casos relatados de mães que afirmaram que quando seus filhos estavam agitados colocavam para eles a música que elas ouviam quando estavam grávidas e o bebê se acalmava parava de chorar e os batimentos cardíacos e respiração alterados  diminuíam. Em outros casos os bebês se agitavam ao ouvir tal música. Isto comprova que o bebê se lembra da música que ouvia quando era apenas um feto. BENENZON (1985)
Foi relatado o caso de uma mãe, com intensa angústia e ansiedade, que durante seus últimos meses de gravidez, acalmava-se com a audição de Madame Butterfly. Ao nascer seu filho, comprovou-se que a audição de Madame Buterfly era o único  estímulo que acalmava seu pranto.” Um dos fundamentos da Musicoterapia é esta relação  do homem com o som, desde a vida intra- uterina. E esta relação com o universo sonoro não-verbal (intra - uterina)  será de extrema importância para contextos terapêuticos posteriores.
         Muitas gestantes estão procurando a Musicoterapia para desenvolverem uma gravidez mais tranqüila, sem stress e já, para começarem uma comunicação com seus bebês. O importante para todas as mães é que percebam a importância do som e da música para os filhos, por isso é que devem conversar cantar, fazer carinho, mas não só quando está dentro da barriga e, sim, a vida toda.

CONCLUSÃO

            A musicoterapia existe e tem um futuro promissor, para que muitos profissionais, das mais diversas áreas, possam usufruir dos efeitos benéficos que a música oferece aos pacientes. A música é uma necessidade humana e o efeito que a mesma nos causa, sua estimulação física, psíquica e espiritual.
Conforme a qualidade, intensidade, ritmo e freqüência dos estímulos sonoros, a música tanto pode induzir efeitos positivos e negativos no ser humano. Sabemos que possui uma força poderosa, capaz de alterar a nossa percepção e cognição. Na infância incute efeitos duradouros no desenvolvimento psicológico, que se repercutem claramente na criança, no adolescente e, mais tarde, no adulto. Sabemos também do relaxamento que nos causa. E que músicas com um ritmo muito forte, ainda que sejam estimulantes, podem ter efeitos que dificultam a concentração ou descontração.
            O ser humano precisa sentir-se ligado a si, a algo e a alguém, ser apreciado, estabelecer laços afetivos, comunicar e partilhar o que pensa e sente. A música pode ajudá-lo a refletir, sonhar, vivenciar, imaginar ou exprimir o que sente, ainda que através da peça musical que ouve ou pelas palavras de outrem. Dada a sua forte associação com as emoções (como a euforia, a melancolia, a alegria ou a tristeza), a música pode também influenciar o comportamento, o funcionamento corporal e o estado psicológico ou emocional do homem, servindo de via, refúgio ou suporte emocional, até nos períodos de isolamento ou incompreensão, ou funcionando como espelho de pensamentos, símbolos e sentimentos.
A musica ajuda na diminuição de distúrbios psicológicos ao combate a depressão na gravidez, no processo pós operatório, na diminuição do estresse,  transtornos de humor e a hipersensibilidade perante a gravidez, a abrir canais de comunicação entre o casal e o bebe, propiciando uma melhor qualidade de vida e a previnir outras doenças e ate mesmo o enfrentamento de algum problema.


BIBLIOGRAFIA

  BRUSCIA, Kenneth E. Definindo Musicoterapia. ENELIVROS, 2006. Rio de Janeiro, 2000.
  BACKES, D.S. et al. Música: terapia complementar no processo de humanização de uma CTI. Revista Nursing, v.66, n.6, p.37-42, 2003.
  SALAZAR, Fernando Bañol. Biomúsica. , São Paulo:Cone, 1993.
  FILHO, M. A. L et al. É preciso cantar: musicoterapia, cantos e canções. Rio de Janeiro: Enelivros, 2001.
  BENENZON, R. O. Manual de Musicoterapia. Rio de Janeiro: Enelivros, 1985



domingo, 12 de maio de 2013

FELIZ DIA DAS MÃES A PARTIR DA GESTAÇÃO COM MÚSICA

A Musicoterapeuta VANDA QUEIROZ
com vários cursos de aperfeiçoamento na
área , inclusive especificamente com gestantes (Gabriel Federico-Argentina/Isadora Canto
São Paulo) em seu ESPAÇO SONORO ALECRIM
em OEIRAS-PI está iniciando também com esta clientela, entre outras. Manda seu recado neste dia:

"Quando uma mulher de uma tribo africana sabe que está
grávida, vai para a floresta com outras mulheres e juntas rezam
e meditam até que aparece a canção da criança.
As mulheres entoam a canção em voz alta e logo retornam à tribo
e a ensinam aos demais. Quando a criança nasce, a comunidade 
se junta e canta sua canção".


Segundo a musicoterapeuta Vanda Queiroz:

 "Uma canção entoada durante toda a gestação
 pela voz amorosa de uma mãe, prepara a criança para um nascimento mais seguro e feliz.
A comunicação que se instala desde a gestação, através da música,
beneficiará a relação entre a mãe e o bebê por toda a vida. 
A música torna os seres mais sensíveis, e amplia nosso modo de estar no mundo.
O Espaço Sonoro Alecrim, pensando em proporcionar uma gestação 
mais tranquila, oferece às gestantes de Oeiras e região Vivências
Musicoterápicas nas quais estas experimentam várias formas de 
comunicação com seu bebê. 
Desejamos a todas as mamães um dia repleto de AMOR junto aos seus filhos."




Endereço do "Espaço Sonoro Alecrim":
Rua Cândido Aleixo, 78 - Sala 4 - 1º Andar 
Centro Oeiras - Piauí
vandamqueiroz@hotmail.com
Musicoterapeuta filiada a AMT-PI
www.associacaodemusicoterapiadopiaui.blogspot.com.br
 CEP: 64500-000



quinta-feira, 25 de abril de 2013

MUSICOTERAPIA MATERNIDADE ESCOLA UFRJ



MUSICOTERAPIA COM MAMÃES E BEBÊS REALIZADO SOB A COORDENAÇÃO DA MUSICOTERAPEUTA MARTHA NEGREIROS    E COM O MUSICOTERAPEUTA ALBELINO
CARVALHAES.


Em outubro de 2000, implantou a clínica musicoterapêutica na Unidade de Neonatologia – Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), Unidade Intermediária (UI) e Alojamento Mãe-Canguru (AMC) – da
Maternidade-Escola da UFRJ, junto às mães/pais/familiares dos bebês internados.
-Segundo os musicoterapeutas Martha e Albelino: 
"A prática clínica trabalha questões relativas à música como meio facilitador de comunicação e expressão de conteúdos emocionais, e capaz de promover o alívio das ansiedades, temores e tensões que cercam este momento específico da família". 
"Procuramos então focalizar como objetivos favorecer a instalação da “função materna”e o aleitamento materno, aqui compreendido como um lugar de confluência de múltiplos e complexos aspectos que perpassam a mulher desde a gestação e que se tornam marcadamente visíveis no puerpério, principalmente em mães de bebês internados. Demos início então ao projeto de pesquisa que resultou na dissertação de mestrado “Musicoterapia e Aleitamento Materno”, concluída em agosto de 2008, que comprovou um aumento da frequência de aleitamento materno das mães que
participaram das sessões de musicoterapia." (NEGREIROS &CARVALHAES, 2012 )

http://14simposiomt.files.wordpress.com/2012/02/final_-_xiv_simpc3b3sio.pdf

p.270


MUSICOTERAPIA, FUNÇÃO MATERNA E AMAMENTAÇÃO
Martha Negreiros de S. Vianna- UFRJ
Albelino Silva Carvalhaes

Trabalho apresentado no XIV Simpósio Brasileiro de Musicoterapia - Outubro- 2012
Olinda- PE



 Musicoterapeuta da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro

(ME/UFRJ); Mestre em Ciências pelo Programa de Clínica Médica (Faculdade de Medicina da
UFRJ / Saúde da Criança e Adolescente, 2008); Graduada: Musicoterapia (CBM, 1980);
Professora da Pós-graduação em Musicoterapia (CBM);


PESQUISA CIENTÍFICA MAIS AMPLA QUE TEM SE ESTENDIDO E É  MUITO IMPORTANTE PARA TODOS QUE ESTÃO ENVOLVIDOS COM ESTA CLIENTELA. 



Musicoterapeuta clínica.
114 Musicoterapeuta da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro
(ME/UFRJ); Pós-graduado em Atenção Integral À Saúde Materno-Infantil (UFRJ, 2007);
Graduado em Musicoterapia e Licenciatura em Educação Artística (CBM, 2002 e 2010);
Professor de Música do Centro Intereducacional de Cultura e Artes (Cachoeiras de Macacu);
Musicoterapeuta clínico.

domingo, 14 de abril de 2013

O VALOR DAS VOZES DOS PAIS

 por Nydia do Rego Monteiro
 TODO BEBÊ DESDE PEQUENINO JÁ CAPTA NAS VOZES OUVIDAS A MELODIA, AS INFLEXÕES "CARINHOSAS" OU "RÌSPIDAS" E COMEÇA A INTERAGIR COM O MUNDO.É esta VOZ ESPECIAL MANHÊS que todos , sejam homens, mulheres que querem se comunicar melhor com bebês aprendem a produzir com suas vozes. Vozes mais agudas, acentuadas , que o bebes adoram e "parecem entender TUDO"! (É o hemisfério cerebral não dominante que ainda está totalmente atuante). A medida que os bebês vão crescendo e o hemisfério racional vai se estabelecendo e aumentando sua atuação, as palavras vão começando a serem entendidas e processadas.As vozes, expressões faciais, inflexões de intensidade de seus papais e cuidadores tem que combinar para fazerem sentido e passarem a mesma mensagem. Ou seja. o NÃO , até o 1 ano de idade por exemplo tem que ficar bem entendido, estabelecido na forma de regras e limites. Ex: Se o pai e/ou mãe dizem NÃO seu rosto na expressão facial  e inflexão de voz devem passar exatamente esta mensagem: -Não. O rosto não deve conter um sorriso porque um sorriso passa a mensagem contrária, ou seja, SIM. Estes bebês geralmente que tem mensagens dúbias demoram a entender regras ou aceitar regras e limites o que causam intensas dificuldades em suas vidas familiares, na escola e outros.Eles sofrem mais.E vão sofrer consequências.E toda a familia também. Geralmente o problema se inicia a partir de 1 ano nesta dificuldade de "mensagens" e estabelecimento de regras e limites pela VOZ.
Eu, como MUSICOTERAPEUTA e educadora musical que sou e atendo bebês sem  e com atraso neuropsicomotor, sem  e com diagnóstico médico, sem e com encaminhamento de neuropediatras em especial, há anos percebo esta dificuldade que os pais tem em fazer estas diferenciações importantíssimas ao empregarem suas vozes. E cada vez mais, nestes ultimos anos na imensa dificuldade que os pais tem em colocar limites claros para seus bebês que são a base para seu crescimento seguro e feliz. E não o contrário como parecem pensar. Muitos parecem até ter medo em colocar limites e dizer um simples :-Não.Com amor.Mas firmes ! Que precisa ser repetido muitas e muitas vezes para seu filho entender, aceitar , crescer e ser um cidadão seguro, responsável. E um futuro grande cidadão que este nosso planeta tanto precisa !


(Fonte- Quadro de desenvolvimento Audiomusicoberbal de 0 a 5 anos - de minha autoria )

sábado, 27 de outubro de 2012

Falar com seu bebê aumenta sua inteligência

Falar com seu bebê aumenta sua inteligência


Para bebês de três meses as palavras influenciam seu desenvolvimento mais do que qualquer outro som, como músicas. O estudo da Universidade de Illinois mostrou que bebês que ouviam mais palavras conseguiam categorizar as palavras de acordo com seu significado, enquanto as crianças que não ouviam muitos adultos conversando tinham mais dificuldade.
Pesquisadores descobriram que aquelas mães-coruja que ficam conversando com seus bebês, mesmo antes que eles possam responder, realmente entendem das coisas. Conversar com seu filho que ainda não fala tem um papel importante no desenvolvimento de habilidades lingüísticas dele.
Na pesquisa, 50 bebês de três meses olharam para imagens que podiam ser acompanhadas de palavras ou de outros sons. O estudo funcionava da seguinte forma: os bebês viam uma foto de um peixe e então ouviam um som (uma palavra ou um bipe). Depois os bebês deveriam olhar para um outro peixe e para um outro animal, como uma vaca.
As crianças que ouviam a palavra conseguiam categorizar o grupo ‘peixe’ e olhavam com mais atenção para um peixe quando expostas a palavra “peixe”. Já crianças que ouviram o bipe não fizeram a associação.
De acordo com especialistas, com o tempo a habilidade de relacionar palavras com objetos se torna mais refinada. Os pesquisadores, com base nos resultados, aconselham que os pais conversem com seus bebês, mesmo que quem esteja “de fora” da conversa ache meio inútil.
Fonte: Telegraph

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Colhendo os primeiros frutos ...
Aprendendo a ouvir, juntas ...


Na nossa mensagem de janeiro de 2012, falamos de nosso empenho e interesse de pesquisar mais e poder contribuir também com as crianças surdas e com implante coclear com a Musicoterapia. Para nossa alegria já estamos conseguindo !!!
Estes são os primeiros resultados positivos dos 5 primeiros meses de 2012 .
Compartilhando ...




Matéria veiculada na TV Clube (Globo local)- Maio -2012- com Polyana e sua Mãe
Lidiane e eu (mt Nydia) no CEIR- Teresina-PI- Brasil.

sábado, 12 de maio de 2012

MAMÃE . QUEM É ?

FELIZ DIA DAS MÃES ! A TODAS AS MAMÃES !
Com esta singela composição das Mamães
Patrícia, Lidiane, Joan e Marilene ,mãe dos
lindos bebês Sarinha, Polyana , Mateus e João Douglas
estimulam seus bebês com muito amor a percebe-las e dentro de suas possibilidades, falar:
MAMÃE.
Fica aqui registrado minha profunda admiração
por estas mães tão dedicadas a seus filhos.
Exemplo verdadeiro do Amor incondicional de
Mãe. Parabéns !
Música composta durante atendimento de Musicoterapia no Grupo de Bebês e Mamães para estimular o vínculo, percepção, atenção e a fala. (Musicoterapeuta Nydia do CEIR- Teresina-PIauí- Brasil)
"Quem é que me acolhe 9 meses?Ma-mãe
Quem é que me alimenta com amor?Ma-mãe
Quem é que me faz um carinho?Ma-mãe
Quem é que me leva p'ra passear?Ma-mãe
Quem é que me conta uma histórinha?Ma-mãe
Quem é que me coloca pra dormir? Ma-mãe
Cadê a Mamãe?    Achou !!!!
Está no meu coração !

quarta-feira, 28 de março de 2012

MOVIMENTAÇÃO COM COMANDOS E HISTÓRINHA DA CHUVA NO GRUPO DE MUSICOTERAPIA DE BEBÊS E MAMÃES





ALÉM DE MUITA DIVERSÃO, UM BANHO DE ESTÍMULOS SONOROS-MUSICAIS, MOTORES, VISUAIS, PROPRIOCEPTIVOS E  TROCAS BEM INTERESSANTES ENTRE BEBÊS, MAMÃES E A MUSICOTERAPEUTA.
É ASSIM QUE ACONTECE TODAS AS SEMANAS DURANTE AS SESSÕES DE MUSICOTERAPIA NO GRUPO DE BEBÊS E MAMÃES DO CEIR (Centro Integrado de Reabilitação Fisica- Teresina- PI).
JOÃO DOUGLAS, ANA SARAH, POLYANA, MATEUS, SUAS MAMÃES E A MUSICOTERAPEUTA  NYDIA COMPARTILHAM BONS MOMENTOS JUNTOS E QUE SÃO REPETIDOS EM CASA PARA BENEFÍCIO DESTES LINDOS BEBÊS. 






*agradecemos as mães que autorizaram a exibição deste vídeo neste blog com generosidade para outras mamães e outros profissionais que puderem utilizar benéficamente no desenvolvimento de seus bebês.
Se fôr útil, que sirva de inspiração.
Breve "Curso especial sobre Grupo de Bebês em Musicoterapia" será oferecido para profissionais. Aguardem  a quem interessar ...

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

domingo, 1 de janeiro de 2012

FELIZ 2012 PARA OUVIR UM MUNDO MELHOR

NESTE ANO DE 2011 QUE SE FINDA ALGUNS BEBÊS DO CENTRO DE REABILITAÇÃO CHEGARAM ATÉ A MIM COM RECOMENDAÇÕES ESPECIAIS: DEFICIÊNCIA AUDITIVA. E ATÉ UMA COM IMPLANTE COCLEAR . ENTÃO ME DEDIQUEI E VOU ME DEDICAR TAMBEM A ELES DURANTE ESTE ANO DE 2012, TRABALHANDO, PESQUISANDO, ATENDENDO E PRODUZINDO COM TODO O AMOR. COMO NADA NO UNIVERSO É POR ACASO, ESTAREI TAMBÉM USANDO UM APARELHO AUDITIVO POR NECESSIDADE E EXIGÊNCIA DE MINHA PERDA AUDITIVA, SURDEZ QUE EVOLUIU BASTANTE.
DESEJO A TODOS UM LINDO 2012, COM MUITA ALEGRIA, EMPENHO, DEDICAÇÃO, AMOR PARA RECEBERMOS, CUIDARMOS, ESTIMULARMOS E AMARMOS AOS BEBÊS QUE JÁ ESTÃO AÍ E AOS QUE ESTARÃO CHEGANDO AO NOSSO MUNDO.QUE A MÚSICA E A MUSICOTERAPIA POSSA TORNAR SUAS VIDAS MELHORES. QUE SEJAM BEM VINDOS!
***MATÉRIA DIVULGADA NO SITE www.diariodasaude.com.br e pelo site de inovação tecnológica-redigida por Raquel Feldman************************************** Longo caminho-Crianças que recuperam a audição depois de receberem implantes cocleares têm um longo caminho a percorrer antes de serem capazes de falar. Agora, um estudo feito na Universidade de Aalborg, na Dinamarca, revela que a musicoterapia pode auxiliar no processo de reabilitação dessas crianças, para que elas adquiram mais rapidamente a capacidade da linguagem. Implantes coclearesAlgumas crianças que nascem com deficiência auditiva, e que não são candidatas ao uso de próteses auditivas, têm 90% de chances de adquirir a capacidade auditiva normal submetendo-se a um procedimento de implante coclear. Após a operação, no entanto, a criança - que nunca ouviu antes - deve passar por um longo processo de reabilitação antes de poder começar a falar. Forma não-verbal de comunicação Durante o estudo, a pesquisadora Dikla Kerem examinou os efeitos específicos que a musicoterapia tem sobre o potencial de desenvolvimento de crianças com idades entre 2 e 3 anos que se submeteram a implantes cocleares, especificamente em termos de melhoria da comunicação espontânea. "A música conta com diversos elementos que também são componentes da linguagem e, portanto, como uma forma não-verbal de comunicação, é adequada para a comunicação com essas crianças quando elas ainda são incapazes de usar a linguagem," explica a Dra. Kerem. Segundo a pesquisadora, as interações comunicativas, especialmente aquelas iniciadas pelas crianças, são fundamentais para o desenvolvimento da comunicação normal, sendo pré-requisitos para o desenvolvimento e aquisição de linguagem. Ela acrescenta que as crianças em fase de reabilitação estão sob muita pressão - especialmente dos pais - para começarem a falar. Às vezes, essa pressão faz com que as crianças tornem-se introvertidas. Efeitos da musicoterapia A musicoterapia reforça a comunicação não-verbal dessas crianças e, assim, diminui a pressão sobre elas para a troca verbal e o oferecimento de respostas faladas. O estudo consistiu em dezesseis sessões oferecidas para as crianças após o implante coclear. Oito das sessões incluíram atividades relacionadas à música (tais como jogos com instrumentos de percussão, brincadeiras vocais e ouvir canções simples) e as demais incluíram brincar com brinquedos e jogos sem sons musicais. Cada uma das sessões foi filmada e analisada. Os resultados mostraram que, durante as sessões nas quais a musicoterapia foi utilizada, a comunicação espontânea das crianças foi significativamente mais frequente e prolongada. Ponte entre dois mundos A pesquisadora também descobriu que a exposição à música deve ser gradual, passando pela utilização de experiências musicais que envolvem parâmetros musicais básicos (como a intensidade e ritmo). "A música pode constituir a ponte entre o mundo silencioso que a criança conhecia e o novo mundo de sons que lhe foi revelado depois da operação. Também é importante que os pais e os profissionais de saúde aprendam a melhor maneira de expor as crianças à música, o uso da música para a comunicação e a importância da abordagem indireta do terapeuta, que melhorou a comunicação das crianças em um grau maior do que em uma abordagem direta," diz Kerem. "A musicoterapia está gradualmente penetrando no campo da reabilitação, mas ainda há muito trabalho a ser feito para melhorar a consciência [dos profissionais de saúde] sobre esta importante área," conclui a pesquisadora.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

GRUPO BEBÊS E MAMÃES EM MUSICOTERAPIA

EM BREVE UM  ARTIGO CIENTÍFICO ESTARÁ PRONTO SOBRE : OS BENEFÍCIOS DE UM GRUPO DE BEBÊS E MAMÃES NA MUSICOTERAPIA DE UM CENTRO DE REABILITAÇÃO FÍSICA MULTIDISCIPLINAR DE ALTA COMPLEXIDADE - CEIR- TERESINA- PIAUÍ- BRASIL





*Autorizado pelas mães dos bebês: ANALYCE, TADEU E VITOR já  com 2 anos de idade e de  alta do grupo. Um permanece em atendimento  individual  em  MUSICOTERAPIA e em  vários  setores  e os  outros nos setores de  FISIOTERAPIA, FONOAUDIOLOGIA, HIDROTERAPIA do CEIR. Além dos acompanhamentos  MÉDICOS e outros que se  fizerem necessários.
**Todo o meu carinho e amor as crianças e suas dedicadas mamães. Estarei sempre torcendo e à disposição de voces. Cresçam e sejam muito felizes !!!

domingo, 14 de agosto de 2011

PAPAI É UM BOM COMPANHEIRO!

*Nydia do Rego Monteiro
Papai é bom companheiro, papai é bom companheiro, papai é bom companheiro... Ninguém pode negar.”
Eu não vou negar nunca. A palavra PAI me desperta lembranças nítidas e presentes de um pai companheiro, amoroso. Meu porto seguro sempre. Mesmo tendo morrido há trinta anos, sua lembrança é presença constante em minha vida. Mesmo trabalhando muito. Mesmo depois de ter ficado oito anos desenganado pela medicina. Nunca, seu papel, amor e responsabilidade de pai esteve ausente ou comprometido. Tudo isso me fez ser uma pessoa segura, equilibrada e cidadã. Então, meu parâmetro de comparação sempre foi alto e ao escolher o pai de meus filhos, repeti o modelo de pai companheiro.
O QUE DESTACO SOBRE MODELO DE PAI COMPANHEIRO:
- Pai começa a exercitar seu papel desde a gestação de seu filho e está lá presente, ao lado da mãe, participando. Ele engravida também e passa pela gestação, com sua companheira. E esta presença e participação vai fazer toda a diferença na já formação deste novo serzinho que está crescendo no ventre de sua mãe.
- A voz do pai já é percebida pelo filho, ainda feto de 4, 5 meses. A voz de timbre mais grave, casa perfeitamente com a voz mais aguda e melodiosa da mãe, compondo duetos vocais que tranqüilizarão o bebê. E intuitivamente estará tudo arquivado no já desenvolvido hemisfério direito deste novo ser e esta sensação de segurança sempre será acionada ao ouvir novamente as amadas vozes de seus criadores.
- Ao nascer, o embalar tão importante com o balanço suave do corpo, canto calmante, o contato tátil e proximidade das seguras batidas do coração do pai, devem estar presentes sim. Ora da mãe, ora do pai. Perfeito equilíbrio de energia masculina e feminina presentes na vida que ora se inicia.
- Filho vai crescendo e mais do que nunca precisa de seu pai brincando, passeando, estabelecendo limites, contando histórias, colocando para dormir ou apenas e tão necessáriamente conversando partilhando a rotina. Mesmo que pouco tempo, por causa dos compromissos de trabalho, mas uma proximidade de qualidade, cheia de amor e aceitação.
- A presença, palavras, atos de um pai sempre serão o exemplo vivo que o filho quer e irá seguir. Então é verdade que depois do nascimento dos filhos, a grande maioria dos homens se torna melhor. Ele precisa se aprimorar para ser um bom exemplo. Como é forte e eterno o orgulho que um filho pode ter da vida digna de seu genitor. Esta talvez seja a melhor e mais rica herança que um pai pode deixar para os seus.
- Mas às vezes, o pai que se forma agora com a chegada de seu primeiro filho, não tenha tido um bom modelo do que é ser pai. E aí está a chance que Deus e a vida lhe deu de ser “O PAI COMPANHEIRO” que ele não teve, mas pode e deve ser. A vida nos dá novas chances todos os dias de reescrevermos nossa história.
- O amor de um pai e o amor de filho (a) gera uma energia potente que pode vencer barreiras e conquistar sonhos e uma vida de vencedores.
“Papai é bom companheiro, papai é bom companheiro, papai é bom companheiro... Ninguém pode negar. Ninguém pode negar.”
Que mais e mais filhos possam sentir verdadeiramente a segurança de um Pai companheiro em suas vidas. E que estes modelos possam ser repetidos e multiplicados hoje e sempre...

*HOMENAGENS:
Ao meu querido e inesquecível pai Naylo Cabral Coutinho (partiu aos 49 anos de idade), ao paizão dos meus filhos Marcos-David  Carvalho do Rego Monteiro, ao super pai , sogro e primo Benjamin do Rego Monteiro Neto (96 anos de luta e bons exemplos), aos meus irmãos Max  e Marcos,  ao meus cunhados Rafael - Vitor( in memorian),  Marcelo- Eugênio, Eduardo, Mário,  ao meu querido e eterno chefe José Reis Pereira , aos meus ex-colegas do Sacre-Coeur de Vitória- ES e pais, Rafael (meu sobrinho), Luciano Uchoa,  a todos os meus conhecidos pais e pais de pacientes dedicados e aos pais novatos e amorosos Williams (da Fabíola), Júnior (da Layla), Giancarlo (da Klycia), Sandro Bezerra, Wallisson (da Lília), aos meus colegas pais do CEIR e todos os outros tão importantes pais. Que Deus lhes abençoe e inspire-os a serem bons pais hoje e sempre! Amém


segunda-feira, 25 de julho de 2011

VOVÔS E NETOS, RELAÇÃO IMPORTANTE NA NOSSA VIDA

                     
                                                                                     

                                                     *Nydia do Rego Monteiro
Ao nascermos, a presença de nossos avós já são rotina em nossas vidas. Ou pelo menos deveria ser. Eles geralmente nos aceitam, exatamente como somos sem muitas idealizações. Eles já passaram pela paternidade e maternidade e agora podem realmente viver uma outra relação sem muitas idealizações,cobranças ou tensões. O amor incondicional flui com intensidade e fortalece em geral o emocional dos netinhos. Sentimento de ser amado, acarinhado, protegido é o que mais nos marca como netos. Estabelecimento de vínculos, conhecimento de nossa própria história, de nossos pais e ancestrais, canções de ninar e cafunés, brincadeiras cantadas ou não de nossos antepassados, descoberta de semelhanças genéticas físicas e psicológicas com quem nos antecedeu, momentos de lazer e cumplicidade são lembranças que ficam por toda a nossa existência. É realmente um privilégio ter avós em nossas vidas. Vovós não são substitutos de pais, porque ninguém substitui estes membros em nossas vidas. Mas às vezes, circunstâncias da vida, fazem com que esta substituição tenha que ser feita. E são feitas com a competência do amor e da experiência de vida. Vovós são nosso porto seguro, nossa fonte inesgotável de amor, confiança e ensinamentos.



O QUE OS VOVÓS FAZEM OU DEVERIAM FAZER:
- Brincam, conversam e estimulam o desenvolvimento neuropsicomotor de seus netos.
- Cantam e nos acarinham para o “mergulho nos sonhos” que causam muitas vezes medo do desconhecido.
- Contam histórias de conto de fadas e da vida real.
-Transmissores da tradição oral de uma família e até mesmo de toda uma cultura.
-Alimentam nosso corpo e alma com deliciosas e exclusivas comidas.
-Responsabilizam- se por momentos de lazer inesquecíveis.
-Ficam felizes só por existirmos em suas vidas.
-Ficam com os netos quando seus pais não podem ou não querem.
-Ensinam seus netos a serem pessoas dignas no futuro.
-Exemplos de vida, postura, responsabilidade e sabedoria.
-Existem em nossas vidas e só isso já nos causa uma sensação de estarmos seguros e amados.

Deus me deu o privilégio de ter avós paternos e maternos presentes que me ajudaram a ser o que sou hoje. A ter o equilíbrio necessário para viver em harmonia com esta difícil sociedade atual. Quero homenagear hoje estes seres tão especiais através dos meus próprios avós que até hoje são presentes em minha vida. (Mesmo tendo partido há tanto tempo para outras esferas). Muito Obrigada Vovô Coutinho, vovó Jandyra Cabral, vovô Sylla e vovó Noeme do Rego Monteiro. Amo vocês por toda a eternidade.
 Homenagem a todas as vovós, em especial também as minhas amigas vovós lindas e jovens: Eliete, Magna, Marilene, Marilena, Nazareth Evangelista Bezerra, Rosangela, Vanda, Socorro Ribeiro, Sonia.



Nascida e criada em Vitória –ES.próxima aos avós paternos e férias escolares no RJ com seus avós maternos.
-Pioneira da Musicoterapia no Piauí. Musicoterapeuta do Centro Integrado de Reabilitação Física –CEIR-Teresina-PI.
Apresenta trabalhos, palestras e cursos em diversos estados do país sobre: musicoterapia, educação musical, cérebro, música e outros temas. Completando este ano, 35 anos como profissional da música. (nydiadoregomonteiro@yahoo.com.br)


segunda-feira, 11 de julho de 2011

MUSICOTERAPIA COM GESTANTES



        MÚSICA COM GESTANTES: ORIENTAÇÕES MUSICOTERAPEUTICAS
                                                                         Nydia Monteiro
               Em homenagem as mamãesEdyáurea, Klycia, Fabíola, Luciana,Rafaela (colegas CEIR), Laila, Lília- Virgínia e Weyla

O privilégio de abrigar no ventre um ser em formação é realmente um presente divino, mas também uma grande responsabilidade. O corpo, a mente e o espírito da mãe deve se preparar para esta maravilhosa, grandiosa e ao mesmo tempo tão natural missão. Cada mãe deve tomar consciência que durante todos os meses de gestação os cuidados são tão importantes como após o nascimento.
A partir da 16ª semana de gestação a audição do bebê já está desenvolvida, desta forma devemos orientar as mães quanto ao controle da respiração e relaxamento através da utilização de músicas que proporcionem o fortalecimento emocional da gestante e do bebê. Devem também fazer a escolha e uso de um repertório musical para o bebê, para que possa ser utilizado e imediatamente reconhecido pelo bebê ao nascer. A voz da mamãe, pai e outros entes queridos também podem e devem ser utilizados. O canto com a voz da mamãe só potencializa todo o efeito positivo que a música pode trazer no desenvolvimento global do bebê. A orientação especializada do musicoterapeuta pode fazer toda a diferença.
Algumas orientações podem ser dadas e utilizadas pelas mamães gestantes:

-Ter sempre em mente que os seus batimentos cardíacos são a referência para o seu bebê de que ele está seguro. Por isso, manter   batimentos cardíacos bem controlados através de respiração controlada e equilibrada é muito importante.

-Conversar muito com seu bebê com voz amorosa e tranqüila deve virar rotina.

-Evitar ambientes ruidosos, tumultuados e agressivos.

-Preparar um repertório musical para seu bebê com CDs apropriados (disponíveis no mercado) e cantando músicas que são especiais para a mamãe e fazem parte da identidade sonora da família (cantadas por bisavós, avós, etc.).

-Demarcar bem o início das atividades do dia e o término do dia, por exemplo, com alguma música, sons ou até mesmo frases ritmadas bem fáceis e alegres.

-Os pais e irmãos podem compor uma pequena canção de boas vindas a este pequeno ser que vai nascer para o mundo, mas já nasceu para a família. Assim quando ele iniciar sua jornada sempre se sentirá amado e seguro.

-Esta música especialmente criada para o bebê pode ser gravada com um acompanhamento musical e colocada em um sistema de som no momento do nascimento e nas primeiras horas, na maternidade.

-Lembrar que seu bebê está dentro de você, e apenas o que há de melhor neste mundo, que futuramente ele irá enfrentar, é que deve ser filtrado e passado nestes nove meses. E não esqueça: ele já sente e ouve!

Que cada mamãe supere suas dificuldades, mas caso não seja possível usem o seu amor para fortalecer a si e ao seu bebê. Com certeza o amor pode superar os obstáculos. Uma boa gestação e um bom parto potencializados pela música!